Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sara in Wonderland

Sab | 28.02.15

A importância dos contos de fadas - Os Três Porquinhos

Esta semana andámos a trabalhar as cores, o cima e baixo, atrás e à frente com as crianças. Se estão aptas, posso dizer que estão quase aptas e está a correr muito bem. E como foi uma semana muito boa, levei algumas vezes o tablet para ao fim do dia fazermos uma secção de cinema. E qual o filme que eles mais queriam ver? Os Três Porquinhos, como eles adoram aquele filme e ficam agarrados ao ecrã! Claro, antes de ver o filme de manhã eu tinha lido a história e eles ficam sempre agarrados e tentam imitar quando o lobo vai soprar, soprar e sobrar até a casa derrubar. Lembrei-me que tenho algumas mães que visitam o blog (e não só mães, mas também muitos de vocês convivem com crianças) e como já tinha feito um post a falar sobre a psicanálise dos contos de fadas, pensei em fazer novo um post a falar do mesmo mas... com a famosa história - Os Três Porquinhos. Como qualquer outra história, a dos três porquinhos também tem a sua magia e ensinamentos. Até porque toda a criança necessita de magia na sua vida, é bom! É bom sonhar mas também ver toda a realidade do nosso mundo através destas histórias. E é disso que irei falar.

 

 

Tanto os mitos como os contos de fadas respondem às eternas perguntas: "O que é o mundo verdadeiramente? Como viver a minha vida nele? Como poderei ser verdadeiramente eu próprio?" as respostas dadas pelos mitos são definitivas, enquanto o conto de fadas é meramente sugestivo; e as suas mensagens podem insinuar soluções sem nunca as relatar. (...)

Bruno Bettelheim - A Psicanálise dos Contos de Fadas

 

Todas as histórias tem algo a dizer, todas as histórias nos ensinam algo que nos marca para a vida. Na verdade, todas as histórias infantis directamente ou indirectamente estão a ensinar à criança algo sobre a vida humana. Mas, na verdade, o que nos ensinou e ensina às crianças a história Os Três Porquinhos? O que mais gostam as crianças nesta mesma história?

 

De todas as vezes que contei esta história às crianças, posso dizer que a parte que eles mais gostam é aquela famosa parte em que o lobo sopra, sopra e sopra até a casa derrubar. Bem, lá no fundo elas gostam de ver a irritação e o resfolegar do lobo frente à porta da casa dos porquinhos. Na verdade, o que mais acho piada e solto logo um sorriso é ver as crianças a imitarem o lobo a soprar. E as caras atentas e por vezes de boca aberta a ver o filme? Acho que nessa altura o meu sorriso é ainda mais rasgado por saber que realmente estão a gostar. Acho que além de se divertirem a ver e a ouvir a história estão a aprender algo de novo que poderá ser muito útil nas suas vidas, isso é sem dúvida o mais importante. Porque a história além de dar um prazer à criança de assistir a todas aquelas cenas também pode ensinar a realidade, é ou não?

 

(...) Os Três Porquinhos ensinam à criança (...), da maneira mais dramática e agradável, que não devemos ser preguiçosos nem levar tudo despreocupadamente, porque, se fizermos assim, podemos ser liquidados. (...)

Bruno Bettelheim - Psicanálise dos Contos de Fadas

 

Penso que com esta frase foi praticamente tudo dito. Quando os dois primeiros porquinhos pensam em fazer as casas de madeira e palha, não pensam na protecção mas sim o facto de ser mais fácil e terem menos trabalho. Na verdade, é com trabalho que nós conseguimos aquilo que queremos, na verdade se nós não lutarmos por aquilo que queremos não o teremos. Como costumo dizer " A preguiça não nos leva a lado nenhum" e é isso que demonstra a história, por causa da preguiça que os dois porquinhos tiveram saíram prejudicados enquanto que o outro porquinho com o seu trabalho árduo ao construir a casa de tijolos, conseguiu estar protegido do lobo e ainda ficou a ganhar. Demonstrando assim à criança que é com trabalho que tudo conseguimos na nossa vida. É com trabalho que temos as nossas vitórias mesmo sobre os nossos piores "inimigos" que neste caso, os nossos inimigos são o Lobo Mau.

Nesta história também podemos pensar de outra forma, pensamos na maturidade que vamos ganhando ao longo da vida. Até porque o porquinho que venceu foi o porquinho mais velho e o primeiro a ser derrubado foi o porquinho mais novo. Mostrando assim que ao longo da nossa vida vamos ganhando maturidade e tornando-nos mais sábios. Existe vários pontos que se pode acrescentar nesta história e a maturidade que ganhamos ao longo da nossa vida é uma delas.

 

Mas já que falamos dos porquinhos, o que significa o lobo mau na história?

O lobo, selvagem e destrutivo, significa as forças associais, inconscientes e devoradoras contra as quais temos de aprender a defender-nos, podendo derrota-las pela força do nosso ego. (...)

Bruno Bettelheim

 Resumindo: Os três porquinhos somos nós. Cada um com o seu grau de maturidade mostrando assim a nossa evolução como seres humanos. Mostra o quando não devemos ser preguiçosos para conseguirmos alcançar aquilo que realmente desejamos, pois a preguiça nunca nos irá levar a lado nenhum ao contrário do nosso trabalho e batalha para conseguir-mos aquilo que mais sonhamos. O Lobo, esse representa aqueles que podemos chamar de "inimigos" ou que nos desejam mal. Na realidade, temos sempre alguém que nos tenta derrubar e para isso temos que ser determinados como o porquinho mais velho, pois existe muitos lobos por aí!

 

Por aqui termino mais um post que tanto gosto de escrever sobre os contos de fadas, mas antes, tenho que terminar com mais uma frase do livro A Psicanálise dos Contos de Fadas de Bruno Bettelheim.

 

Os contos de fadas, pelo contrário, deixam para nós todas as decisões e nem sequer nos incitam a tomar qualquer uma. Cabe-nos decidir se aplicamos ou não à nossa vida qualquer conto de fadas, ou se simplesmente nos deliciamos com os acontecimentos fantásticos que eles relatam. (...)

Bruno Bettelheim

 

Existe algum conto de fada que seja especial para vocês? Digam-me qual é, pois tentarei falar dele desta mesma maneira. Na verdade, estudar um pouco esse mesmo conto.

 

assinatura.png

 

19 comentários

Comentar post